A relação da evolução do homem com impulsos aeróbicos

Se você tem uma sensação de euforia e alegria, após andar na calçada alguns quilômetros ou suar durante uma aula de ciclismo indoor, isso pode ter mais a ver com a sua evolução do que com o seu coração (embora , como você pode não se sentir feliz quando você está ouvindo Beyoncé?).

Uma nova pesquisa publicada no Journal of Experimental Biology descobriu que a atividade do corredor pode ter um benefício intrínseco. No estudo, da Universidade do Arizona, o pesquisador David Raichlen , PhD, explica que os nossos ancestrais caçadores-coletores foram também atletas de resistência de longa distância, de modo que o sentimento positivo que temos hoje após o exercício aeróbico pode ser nada mais do que um impulso de milênios de anos atrás para o exercício.

“A atividade aeróbia está sempre presente na evolução dos seres, em diferentes sistemas do corpo humano, o que pode explicar porque o exercício aeróbio parece ser tão bom para nós”, disse o pesquisador Raichlen.

Em termos leigos, tudo isso significa dizer que essas investigações estabelecidas para entender porque o exercício nos faz sentir tão bem está ligado ao fato do nosso cérebro saber o que é bom para nós. Os pesquisadores compararam os endocanabinóides induzidos pelo exercício, também conhecido como neurotransmissores que geram sentimentos positivos do exercício, em dois mamíferos cursoriais com o corpo projetado para o exercício de endurance, os seres humanos e cães, e um mamífero não projetado para a atividade de longa distância, os furões.

Depois de treinar cães locais e furões de estimação para correr em esteiras, os pesquisadores compararam amostras de sangue dos animais e também de participantes humanos, antes e após o exercício. Os pesquisadores descobriram que os níveis de endocanabinóides no sangue dos cães e seres humanos dispararam depois de intensa atividade, enquanto os furões não produziram nenhuma resposta. Isto sugere que o sentimento de euforia do corredor só existe em animais que têm uma necessidade evolutiva para o exercício aeróbico.

Se você está se perguntando porque você nunca sentiu essa emoção de euforia na academia, Raichlan explica no mesmo estudo que um certo nível de intensidade do exercício é necessário para se chegar a esse ponto. “As pessoas inativas podem não estar aptas o suficiente para alcançar a intensidade do exercício que leva a esse tipo de sensação gratificante”, disse ele, embora seja possível para os indivíduos inativos construir a sua tolerância ao exercício o suficiente para que sintam esse impulso do humor.

Compartilhe nas Redes Sociais!